FAVOURITES OF 2016

Bem-vindos ao Earworm Den! Não reparem no layout porco e muito menos no logotipo hipster horroroso que eu criei às pressas no fucking Paint. Tá meio na cara que eu planejei esse blog em uma semana, né? Eu aposto que eu vou desistir disso tudo em uma semana também… Mas enfim, que melhor maneira de começar um blog do que com uma típica lista de melhores do ano?

Agora sejamos francos: 2016 FOI UMA MERDA. Presenciamos a morte de vários ícones do pop como Prince, David Bowie e KARA, mas o problema mesmo foi o quanto o ano foi vazio para o pop asiático. Muita gente não lançou nada ou lançou porcaria… e o K-Pop em especial ficou bastante homogêneo, então mesmo as músicas boas soavam redundantes porque já havia gente fazendo a mesma coisa. Ainda assim, o ano não foi totalmente descartável, teve coisa MUITO BOA, e é isso o que esse post vai celebrar. Chega de enrolação, aqui estão minhas 20 faixas favoritas de 2016! ^^

20. Black & White – Rainbow

Eu nem iria pôr essa música aqui até que a Fuse publicou uma lista de bandas que acabaram em 2016 E IGNORARAM RAINBOW COMPLETAMENTE. 2NE1 está lá, KARA está lá, 4minute está lá, mas Rainbow não! Eu não posso aceitar que Rainbow seja apagado da história desse jeito, então eu tive de descartar Nomu Nomu Nomu Nomu Nomu Nomu do I.O.I. e colocar a melhor album track do Prism. Desculpa, I.O.I, mas vocês não são Rainbow. Quem sabe ano que vem… oops. Desculpa, I.O.I.

19. Daikirai – Teddyloid feat. Loira Insuportável

Até um tempo atrás Fire Truck do NCT cumpriria minha cota de trap-que-funciona aqui no ranking, até que Teddyloid lançou essa música no final do ano. Ignorem a rapper insuportável, o instrumental disso aqui é SENSACIONAL. Especialmente na parte dos fucking looser. Mas sério, Teddy, por que você precisava colocar essa mulher? Eu até agora não sei se ela tá fazendo rap mesmo ou se tá possuída. Se alguém tiver um mp3 só com o instrumental dessa música sem a rapper loucaça gritando por cima, por favor, compartilhe!

18. Boombayah – 2NE1 BLACKPINK

Muita gente tem reclamado que Blackpink ainda não tem identidade própria, que elas são apenas um 2NE1 com integrantes bonitas… E ISSO É VERDADE. Mas querem saber? DANE-SE. Vamos admitir que nenhum grupo da nova geração está fazendo algo que não tenha sido feito antes. Não se enganem, isso aqui É uma música do 2NE1. Blackpink É 2NE1 com novas integrantes, basicamente. Mas é um alívio saber que tem alguém pra carregar o legado… pelo menos era isso que eu diria se as outras três músicas de Blackpink fossem mais do que um “ok”.

17. High Heels – Brave Girls

Quando eu ouvi High Heels, eu achei que a produção não era assinada por Brave Brothers. Obviamente ela tem todas as características de uma música produzida por ele, mas onde estava o “Brave Sound!” no começo da música? Demorei mais tempo do que gostaria de admitir para perceber que o “Brave Sound!” está lá na intro sim! Mas tá tão escondido no meio dos sintetizadores e dos chants de cheerleader que não é tão fácil de perceber. Provavelmente o produtor sabia que se mexesse numa intro tão perfeita estragaria, mas ainda deu um jeito de enfiar sua watermark lá. Decisão mais que acertada porque High Heels tem A MELHOR INTRO DO ANO. I’m a sassy girl (I’M A SASSY GIRL!)

16. Luna – Alice Vicious

Apesar do K-Pop estar numa onda pseudo-experimental, a Coreia ainda carece de artistas que REALMENTE sejam hipsters pedantes fazendo música para hipsters pedantes e, olha, eles não poderiam ter conseguido uma melhor representante do que Alice Vicious, que é basicamente uma professora particular de canto com uma carreira de cantora nas horas vagas (é sério). Quer dizer, ano passado ela nos deu essa desgraça aqui, mas uma reviravolta aconteceu e a moça lançou músicas muito boas esse ano. A melhor dessas é Luna. Ela começa bem fraca, mas é só o tecladinho de brinquedo aparecer que ela te prende.

15. Prism – SHINee

1 of 1 foi não só o melhor álbum de boy band esse ano (não que tenha sido uma tarefa difícil), mas também o melhor álbum da carreira do SHINee (o que não é tão difícil também, geralmente tem cada filler…). Apesar de eu gostar muito de 1 of 1, ela foi um tanto no automático demais e acabou não sendo tão memorável, garanto que daqui a um ano a gente já vai ter esquecido que SHINee sequer lançou uma música chamada 1 of 1. Prism, no entanto, mostra o que SHINee tem de melhor sem ser tão previsível. Raramente a gente encontra uma faixa no K-Pop com um foco tão grande na harmonização dos integrantes e essa aqui faz um ótimo uso dos vocais deles, eu até acho uma pena essa música não ter sido lançada ano passado como title track do Odd, porque ela é simplesmente o que View deveria ter sido.

14. Sun Shower – Unicorn

O mini álbum do Unicorn foi uma das maiores surpresas do ano, por pouco eu não coloquei a title track aqui, mas quem conseguiu a vaga foi a melhor B-side do ano. Se tem uma modinha que não me convenceu no pop é o tropical house, mas tem coisa que merece ser reconhecida: Sun Shower é um tropical house feito direito com um refrão delicioso e todos deveriam ouvir o EP de Unicorn, venerá-lo e se possível comprá-lo também para ver se elas conseguem dinheiro suficiente pra fazer mais um comeback nesse nível.

13. Find Me – Hyosung feat. D.Action

Find Me é algo que o europop estaria lançando se a Europa não tivesse se rendido às mesmas tendências horríveis do pop americano. É, o começo dessa segunda metade da década não tá favorecendo o pop em mercado musical nenhum… às vezes o fato da TS Entertainment nunca se atualizar se torna algo favorável. P.S.: não houve pessoa mais gostosa nesse 2016 do que Hyosung nesse MV, pqp.

12. Someone Like U – DalShabet

DalShabet perdeu duas integrantes e fizeram o que todo girl group em momentos de desespero faz: se junta com Brave Brothers. Pra sorte delas, BB deve gostar bastante do grupo porque ao invés de lhes entregar as sobras do AOA, ele deu pra Dal Shabet um dos melhores Bravesound de todos os tempos, com um 80s concept que seria um follow-up muito melhor para B.B.B. do que aquela música do Coringa. E ainda plagiaram a icônica dança do “abre a jaqueta e balança os peitos” das Pocket Girls, mostrando que têm as melhores referências. Isso aqui saiu no começo do ano quando tudo indicava que anos 80 seria a tendência no K-Pop 2016… até que veio PBR&B, tropical house, baladas e todas essas merdas. É a vida.

11. Angel – berry good

O 2016 de Berry Good merece todos os elogios. O 2015 do grupo foi tão ruim que é surpreendente ver o quão bons foram seus lançamentos no ano passado. A agência estava tão mal que tiveram de fazer não um, mas DOIS projetos no Makestar pra bancar os comebacks. E os fãs estão de parabéns, porque o dinheiro foi bem gasto. Primeiro veio Angel, um dos melhores refrões e uma das melhores letras do k-pop 2016, ainda mais depois que você sabe que ela foi dedicada ao produtor da faixa que faleceu. Depois teve Don’t Believe, um ótimo tropical house (NÃO É O MESMO QUE DANCEHALL), mas com um MV péssimo, e que ainda introduziu uma nova integrante que viralizou entre os tarados da Coreia. Com sorte, a gostosa descola uma boa grana em variety shows para o grupo não precisa fazer outro Makestar.

10. Countdown – FEMM

Eu devo dizer que gostei muito de Dust My Shoulders Off da Jane Zhang, mas eu nunca adivinharia que aquilo ali era produção do Timbaland. Já Countdown do FEMM não poderia ser MAIS Timbaland e nem tem o dedo dele. Futuresex/Lovesounds e Loose são dois dos meus álbuns favoritos da década passada, então qualquer música que emule o som do Timbaland dessa época consegue me ganhar facilmente, ainda mais quando tem adlibs IDÊNTICOS aos que ele fazia, isso é o suficiente para explicar a presença de Countdown no meu top 10. Provavelmente era algo assim que Jane Zhang esperava quando chamou o Timbaland.

9. Doo Doom Chit – Crayon Pop

Crayon Pop adiou seu primeiro full album por uma vida inteira, mas ele valeu à pena (e não é só porque não teve apenas 3 inéditas recompensando a espera). Doo Doom Chit não poderia ser mais Crayon Pop, ela simplesmente não se leva à sério. O riff de sax irresistível, o rap tosco da Ellin, a icônica dancinha baseada num meme… sem falar que a música é certamente a mais catchy de 2016 (tá, talvez Nomu Nomu Nomu seja um pouco mais… desculpa I.O.I).

8. Free Somebody – Luna

Eu amo Free Somebody, mas falar dela é meio triste. Primeiro porque eu assistir seu MV me dá uma dor no coração, porque eu olho pra Luna e sinto uma baita falta de seu antigo rosto… ainda bem que ele já estava voltando a ser o que era a julgar pelas fotos mais recentes. Segundo que isso daqui foi um flop enorme. E por último, eu descobri que Free Somebody foi escrita pela JoJo, que vendeu essa faixa pra SM em um ato de burrice, já que ela é muito superior a qualquer música presente no legalzinho Mad Love. São decisões como essa e aquela vez que você recusou o papel de Hannah Montana que te impedem de voltar à merecida glória, JoJo!

7. Pink Champagne – E-Girls

E-Girls teve um 2016 ótimo e aqui está o grande trunfo delas esse ano: Pink Champagne. Porque, eu não sei vocês, mas eu precisava de um dance noventista com clima de reveillon na minha vida. O refrão dessa música é provavelmente o ápice da carreira do E-Girls e, na tradição do grupo, ainda tem um clipe lindo… quer dizer, pelo menos os primeiros 1min20 que a avex me deixa assistir.

6. Platonic Love – Snuper

ROMEO viu que Sweetune não estava dando certo para eles, então decidiram lançar merda atrás de merda e apelar para um cameo forçadíssimo do Minho para ver se aconteciam. Não rolou e eles continuam nugus. E provavelmente arrependidos de não terem conseguido esse reboot de Take On Me do a-ha para si. Verdade que isso não fez muito pela carreira de Snuper também, mas antes flopar lançando uma delícia dessas do que fazendo um summer concept furreca num resort com a ameaça de cair um temporal.

5. Destiny – Lovelyz

Lovelyz teve um ano bem parado quando comparado às rivais, mas quando fizeram comeback elas fizeram questão de mostrar seu crescimento como grupo. One Piece deixou de lado seu tradicional synthpop sutil dos anos 80 para criar uma música com clima mais épico, com um som mais orquestral e setentista. As roupas de colegial foram substituídas por roupas de ir ao culto no domingo; a letra não é mais sua típica declaração fofa para oppa, dessa vez fazendo uso da Lua, da Terra e do Sol como metáforas para se tornar uma história de amor incondicional e não-correspondido; e o MV complementa muita bem a mensagem com referências que vão de Christopher Nolan a Friedrich Nietzsche. Enquanto algumas prometeram que iriam mudar só para voltar na mesmice e outras precisaram soletraaaar que o c-o-n-c-e-i-t-o m-u-d-o-u, Lovelyz apenas foi lá e evoluiu seu som e sua imagem.

4. Nijikan Dake no Vacance – Utada Hikaru feat. Shiina Ringo

Eu fiquei bem receoso em colocar só uma música da Utada para entrar no ranking. Isso porque Fantôme foi um trabalho incrível, todos esses anos afastada da indústria não a prejudicaram em nada, pelo contrário, as experiências desse período deram a ela um dos seus álbum mais belo e poético. Mas em questão de música favorita essa foi Nijikan Dake no Vacance mesmo, porque Voz da Utada + Voz da Shiina = WIN.

3. Cosmic Explorer – Perfume

A melhor faixa do esperado (e ótimo) álbum de Perfume em 2016, Cosmic Explorer é a faixa perfeita para dar título ao disco. Ela encapsula perfeitamente o álbum e possuiu uma vibe espacial. Sério, eu realmente consigo me imaginar numa viagem cósmica ouvindo Cosmic Explorer. As seções da faixa são bem distintas entre si, mas elas são muito bem costuradas, é como se os sintetizadores guiassem a música a uma zona espacial completamente nova a cada momento. Você não sabe o que te aguarda a seguir. Pra que usar drogas quando se pode ouvir um álbum de Perfume, não é mesmo?

2. Why So Lonely – Wonder Girls

Se Wonder Girls der disband, eu não poderei reclamar, só agradecer. Porque em 2015 elas nos deram o REBOOT, em 2016 elas nos deram Why So Lonely, um reggae delicioso que é sua melhor title track desde Nobody. Agora elas mergulharam de vez no band concept (independente de serem elas tocando ou não…) porque os instrumentos realmente ganharam destaque dessa vez, a bateria e a guitarra brilham nisso aqui. Why So Lonely tem um clima bem despretensioso, o refrão chega de maneira bem sutil, mas ele fica na sua memória. A música conseguiu fazer tudo direito, acho até que foi a primeira vez que o rap da Yubin realmente pareceu essencial ao invés de parecer ter sido enfiado porque ela tinha de fazer alguma coisa. O MV com elas doidonas maltratando seu amante manequim (isso sim que eu chamo de Mannechin Challenge) é a cereja do bolo. Sem contar que foi muito bom ver ao menos UMA música boa conseguir um all-kill nos charts esse ano, mesmo vendo Onces argumentando que o sucesso de WSL é mérito do Twice (oi?).

1. Windy Day – Oh My Girl

Oh My Girl fez tanto comeback esse ano que elas já tinham grande chance de aparecer nessa lista só na probabilidade… teve bosta e teve coisa boa, mas uma se manteve sobre todas as outras: Windy Day. Windy Day é vitoriosa porque conseguiu arquitetar tudo perfeitamente. Os versos folk entregam para um pré-refrão desacelerado que passa para um refrão com vocais evocativos de ABBA e daí vem o pós-refrão com o hook do Oriente Médio (eu disse ORIENTE MÉDIO, colegas, NÃO é Índia nem Espanha, tá?). Daí por diante o processo se repete, aparecendo apenas uma bridge derivada do refrão quando o ouvinte já se familiarizou com as mudanças, isso só deixa a música mais atraente.

Se tivessem jogado mais quebra de expectativa aqui, a música perderia força; se a bridge soasse muito diferente do resto, a música perderia força; se tivessem enfiado berros no final para mostrar as notas que as vocalistas podem alcançar, a música perderia força. Windy Day poderia dar errado muito facilmente, mas é tudo TÃO bem dosado que ela só te faz querer ouvir mais e mais vezes e quando você percebe é a música mais marcante do seu 2016.

0,5. BUNNY BUNNY

AAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHH MERDA DE MÚSICA ❤

1) o que é o BaBaBoom que elas querem que “venha pegar” no começo da música??? 2) Se BaBaBoom não virar o nome do fandom, será uma das maiores oportunidades perdidas da história do Capope. 3) “CRAZY SOUND” HAHAHAHAHAHAHAHA; 4) Melhor rip-off de hit de outro grupo em 2016… desculpa, I.O.I!

Anúncios

8 comentários sobre “FAVOURITES OF 2016

  1. […] Como eu disse no meu post dos melhores de 2016, Wonder Girls realmente mergulhou no band concept para Why So Lonely?, e isso ficou visível também nas apresentações. Enquanto elas me pareciam tensas nos stages de I Feel You, nos de Why So Lonely?, elas estavam bem mais confortáveis e não só conseguiam vender a imagem de banda como também o clima descontraído da faixa, e claro que ajuda o fato dessa música FICAR AINDA MELHOR NO AO VIVO. […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s