FAVOURITES OF 2018

2018 foi – na falta de uma palavra melhor – UMA MERDA. Passamos semanas sem que se lançasse uma música decente, chegando ao fundo do poço no 4º bimestre, com setembro de 2018 sendo o pior mês da história do capope desde que eu comecei a acompanhar essa bosta há 10 anos. Não é à toa que o Asian Mixtape desistiu.

Mas ainda há esperança. No meio desta Idade das Trevas ainda foi possível ver a luz e houveram músicas muito boas saindo da Coreia (e algumas do Japão), que faziam valer a pena tolerar os trocentos comebacks de tropical house. Bem, para encontrar algo no meio de tudo isso, como as 26,5 canções a seguir.

P.S.: O ano foi tão ruim que eu nem consegui músicas suficientes para um B-SIDES OF 2018, então esta lista vai ter title tracks e album tracks.

26. MOMOLAND – BBOOM BBOOM

Uma música que com certeza estará no topo de muitas listas de fim de ano é BBoom BBoom e por bom motivo. Não foi à toa que essa música salvou a carreira de Momoland, BBoom BBoom tem todos os elementos que compõem um hit. A faixa é um eletro-swing com um refrão suficientemente grudento, além de mudar frequentemente para não deixar o ouvinte entediado. Eu admito que cansei um pouco rápido da música e o break de trap é horrível, mas isso não muda o fato dela ser irresistível.

25. A.C.E – DESSERT

Vocês sabem que eu não aguento mais tropical house, então para uma música dessas aparecer por aqui ela deve ter algo mais a oferecer. Acontece que o grande atrativo de Dessert não é o tropical house, mas os sintetizadores oitentistas que fazem dessa música basicamente o que Africa do Toto seria se fosse criada em 2018 (e não fosse lançada pelo Pitbull).

24. OH MY GIRL – SECRET GARDEN

Oh My Girl conseguiu enganar todo mundo com uma música que logo no começo parece que vai virar uma merda tropical, mas ao invés disso se enche com sons de violino, piano, bateria, sintetizadores e o que mais for necessário para te fazer sentir como se estivesse viajando de encontro aos anjos. Isso talvez explique por que a música chegou ao top 10 do MelOn e depois simplesmente sumiu dos charts, os coreanos devem parado de ouvi-la assim que perceberam não se tratar do tropical house que prometia ser nos primeiros segundos.

23. 2NE1 – DDU-DU DDU-DU

Capopeiro tem mesmo de morrer. Teddy Park conseguiu produzir uma música boa pela primeira vez desde a última passagem do cometa Halley pela Terra e YG finalmente conseguiu fazer uso de todo o potencial do BLACKPINK sem estragar as coisas. Você imaginaria que as pessoas estariam felizes e satisfeitas, mas ao invés disso elas gastam tempo criando vídeos pra chamar uma integrante de preguiçosa porque “ain, ela tem de parecer feliz e se esforçar pelos fãããins!!!11! T_T”. A gente sabe que Jennie não dá uma foda para isso, eu só tento imaginar como seria se essa mesma determinação desses indivíduos em apontar o quão bem um idol está dançando fosse aplicada em uma coisa menos inútil, tipo o combate à fome das trinta idols que desmaiaram no palco durante esse ano…

22. SEVEN O’CLOCK – SEARCHLIGHT

YG pode ter acertado com BLACKPINK, mas WINNER e iKON continuam a mesma desgraça de sempre. É então que surgem uns nugus chamados Seven O’clock e entregariam exatamente o que eu (em um passado distante) esperava que as boy bands novatas da YG seriam. Searchlight usa o som antigo do BIGBANG como inspiração, mas ainda consegue se distinguir com uma atmosfera própria de melancolia. Isso e o fato de que nem em 2007 BIGBANG teria um MV de tão baixo orçamento.

21. CLC – DISTANCE

Se Seven O’clock me lembrou BIGBANG das antigas, CLC me trouxe de volta o T-ara das músicas sofredoras em que as seis apareciam no clipe fazendo cara de cu, e considerando que 2018 foi o primeiro ano em que T-ara não lançou nada desde que debutou é um grupo se inspirando nos dias de glória das rainhas era exatamente o que eu precisava. Todo girl group deveria lançar algo inspirado em T-ara ao menos uma vez por ano.

20. EXID – I LOVE YOU

E temos EXID usando a fórmula UP&DOWN pela milionésima vez, mas agora mudando a embalagem o suficiente para conseguir deixá-la interessante pela primeira vez desde a própria Up & Down. Eu fico feliz pela melhora da saúde da Solji, mas sinto informá-la que ela tem a parte mais fraca da música e que impediu I Love You de aparecer mais alto. Ela poderia ter esperado um comeback a mais antes de voltar…

19. E-GIRLS – PAIN, PAIN

As E-girls lançaram um monte de coisa em 2018, mas a maioria foi coisa no máximo decentezinha. “Pain, pain” foi a única que se destacou, uma música dramática que já começa épica com tango e violinos. O único problema é que o refrão, mesmo bonitinho, não chega perto da qualidade da intro e dos versos…

18. RED VELVET – BAD BOY

Apesar de todo mundo querer gostar do lado velvet ele nunca conseguia competir com o lado red… até Bad Boy chegar. Agora todo mundo já pode parar de fingir que canções como Be Natural e Automatic são tão memoráveis quanto Ice Cream Cake ou até mesmo Russian Roulette, porque finalmente temos uma title track mostrando que o lado velvet não é uma completa bosta. Bad Boy consegue pegar a vibe melancólica das outras músicas velvet, mas finalmente adiciona a atitude e pulso necessários para o ouvinte não cair no tédio. Por que demoraste tanto a descobrir o que faltava, SM!??

17. NCT DREAM – WE GO UP

Não se pode confiar em boy bands, e eu aprendi isso do modo mais difícil quando NCT só esperou eu admitir que eu os estava stanneando pra virar uma merda. Todas sub-units tiveram músicas horríveis em 2018 e NCT Dream não foi exceção, mas no meio de tanta bosta houve um acerto: We Go Up. E eu digo inclusive que essa música teria feito muito mais sentido para o álbum conjunto das units porque ela une elementos de cada uma delas: tem os versos pesados típicos do NCT 127; o refrão com o entusiasmo juvenil que associamos ao NCT Dream; e absolutamente nada do NCT U, como deve ser. Agora que eu falei bem de NCT de novo preparam-se para eles lançarem um monte de titica em 2019…

16. LOONA – HI HIGH

Claro que depois de tanto tempo o hype para o debut de LOONA ficou enorme e acabou que ele não foi exatamente o evento intergaláctico que eu estava esperando. Mas agora que a hype já passou eu posso afimar que Hi High é uma ótima música. Alguns dos problemas que mencionei na minha review ainda estão ali, mas a maioria deles só surge quando colocamos Hi High no contexto da história do LOONA (em especial o fato de não superar grande parte do que veio antes e ser especificamente muito parecida com love4eva). Mas basta a isolarmos de tudo isso para perceber que Hi High é um fantástico Hi-NRG que consegue transmitir perfeitamente a euforia de finalmente debutar após 2 anos de enrolação.

15. HOLLAND – I’M SO AFRAID

Holland gerou muito comentário como sendo nomeado o primeiro idol gay da Coreia, o que não é exatamente uma verdade: ele não é bem um idol e a gente sabe muito bem que o armário do capope não está nada vazio (não vamos citar nomes, apenas dêem uma olhada na line-up do Wanna One). Se falou tanto da sexualidade do rapaz e tão pouco sobre a música em si que eu achei que a hype era só por ele ser gay, e durante os primeiros segundos de I’m So Afraid eu acreditei que era isso mesmo… até aquele drop magnifíco. Sinceramente as partes em que o Holland canta são muito chatas, mas ele canta tão pouco que mal faz diferença e sabiamente deixa o instrumental tomar conta e fazer o serviço.

14. BERRYGOOD HEART HEART – CRAZY, GONE CRAZY

É impressionante que BerryGood existe desde 2014 sem fazer o menor sucesso e ainda se recusa a morrer. Eu pensei que o grupo jogaria a toalha de vez depois da grande tragédia de BibbidiBobbidiBoo, mas ele do nada decide inventar uma sub-unit mais flopada que o grupo principal. Não que eu vá reclamar disso, pois “Crazy, Gone Crazy” é o R&B sensual que sempre aguardamos do lado velvet e nunca conseguíamos. Mas isso ainda é BerryGood e algo tinha de dar errado, então óbvio que essa música conseguiu ter a coreografia menos sensual do ano, mas talvez a mais hilária.

13. CHOHYUN – LAST SUMMER

Esta pérola que encontrei ao acaso consegue ser tão flopada quanto eu, tendo menos de 3 mil views no YouTube. Mas diferente de mim esta música tem qualidade e não merece viver na obscuridade, então assistam ao clipe! Pelo menos esse “2nd single” deve ter ganhado um pouco mais de exposição que o anterior, que eu não consigo encontrar mais nada dessa mulher em lugar nenhum.

12. FROMIS_9 – LOVE BOMB

Ninguém assistiu ao survival show que formou o fromis_9, logo não havia muita expectativa para o grupo. Isso parece ter ser tornado uma coisa boa no fim, porque com zero da hype que houve em cima de Wanna One e IZ*One, um nome ainda pior e consequentemente menos pressão para fazer sucesso, fromis_9 provou-se a cada comeback um grupo para se ficar de olho. Muito melhor do que Wanna One e – até o momento – do que IZ*ONE. Eu só queria saber que truque Digipedi usou para nenhuma integrante sofrer uma queimadura de terceiro grau na produção desse clipe.

12. ASEUL – ALWAYS WITH YOU

Nem sempre é fácil encontrar algo decente na Coreia fora da cena idol. Isso porque quem domina os charts além dos girl groups e boy groups são aqueles atos sonolentos de K-R&B, K-Ballad ou sei lá do que estão chamando aquela porcaria esta semana. Mas, como você pode ter percebido por esta lista, vários artistas não-idols estiveram se superando em 2018 e tava valendo a pena vasculhar pelos atos mais obscuros. A mais consistente desses foi a cantora Aseul, que lançou várias músicas com essa atmosfera surreal, sendo “Always with You” a melhor delas.

10. SATURDAY – MMOOK JJI BBA

Concordamos que MOMOLAND se superou este ano, mas eu sabia que não demoraria muito para um grupo nugu lançar uma versão superior do que elas estavam fazendo. Porque, a menos que você seja Orange Caramel, o zany aegyo funciona muito melhor se você for um grupo de baixo orçamento sem medo de mergulhar fundo na tosqueira. Dito e feito, Saturday brotou de sabe-se-lá-que-inferno com a música mais divertida que 2018 produziu, um hino à brincadeira do pedra-papel-tesoura ❤ . Você jamais ouviria um refrão tão maravilhosamente idiota e um verso de rap tão indiscriminadamente tosco em um grupo sério das grandes agências e é por isso que as nugus do capope continuam sendo um presente divino que devemos preservar.

9. APRIL – THE BLUE BIRD

April milagrosamente saiu da mediocridade e entregou uma música diferente de tudo que suas concorrentes no aegyo fazem. The Blue Bird é uma música com várias melodias acontecendo ao mesmo tempo, assim como a legalzinha Take My Hand do ano passado, mas agora com uma aura mais elegante e angelical. E o refrão dessa música é o mais dramático do k-pop em tempos, não por acaso o MV se passa num teatro.

8. LOONA – STYLISH

Hi High foi ótima, mas a melhor música do mini album de estreia do LOONA foi de longe Stylish. O porquê caralhos BBC decidiu dar um clipe a trashOriTe ao invés desta delícia eu me pergunto até hoje. Stylish começa com um synth loop que dá à faixa a sua pegada urban, mas ao invés dele aparecer durante a porra da faixa inteira o loop dá a cara apenas nos momentos certos e some antes de ficar insuportável. Mas acho que todos vamos concordar que o melhor momento é quando começa o refrão com as meninas fazendo uma harmonização acapella com um vocoder. Isso teria sido perfeito para a primeira música de OT12, BlockBerry!

7. WONDER GIRLS SUNMI – SIREN

Este presenciamos uma enxurrada de solistas tentando um lugar ao sol, a maioria ex-integrante de girl groups da Era de Ouro. Entre as poucas que conseguiram um hit estava Sunmi com aquelas músicas toscas que o Teddy produziu. O sucesso nos charts já estava lá, só faltava aquela música necessária para torná-la a primeira na linha de sucessão ao trono de Lee Hyori e foi aí que surgiu Siren. No começo eu curti a música, mas não cheguei a me impressionar muito… até esse refrão não sair da minha cabeça nunca mais!!! Qualquer crítica que eu possa fazer a Siren desaparece no momento em que ouço o “Get away out of my face”! E ainda por cima tem uma coreografia memorável, porque não tem como você ouvir esse refrão sem fazer o movimento da mãozinha.

6. ONF – COMPLETE

Complete é daquelas músicas que já começa épica, mas consegue ir ficando ainda mais épica até o final. Não há grandes truques aqui, Complete é apenas um pop feito direito. Metade do refrão é apenas um riff de sax viciante e a música vai pulsando energia conforme cresce até explodir no melhor break do ano.

5. FANATICS-FLAVOR – MILKSHAKE

2018 foi um ano de grandes tensões políticas, mas o k-pop, como o entretenimento escapista que é, se manteve à margem dos conflitos. No entanto, houve exceções. Se você se incomodou com o posicionamento anti-consentimento de YES OR YES do Twice e precisava de um aegyo de esquerda para compensar, sua busca termina aqui. No clipe de FANATICS-Flavor, as integrantes se vêem vítimas de um sistema capitalista que estimula o consumo exacerbado de leite em propagandas enquanto o monopoliza e o mantém fora do alcance da população, é então que as Fanáticas propõem que façamos um “milkshake” na atual ordem social para estabelecer uma nova ordem comandada por mulheres e iniciam uma revolução lutando contra a vaca que alimenta o patriarcado.

4. PERFUME – FUTURE POP

Perfume tá passando por uma seca criativa desde o ano passado, mas no meio disso apareceu Future Pop como um oásis nesse deserto. Nakata deixa o que realmente importa brilhar: o instrumental. O pré-refrão cria a sensação de estarmos saindo da estratosfera para dar lugar a um drop de EDM que vai te fazer sentir como em uma viagem frenética pelo espaço. É isso o que eu espero de Perfume! Se o clipe não fosse tão qualquer coisa, talvez eu ainda tivesse alguma esperança para o grupo voltar aos eixos, mas tô achanado que a gente vai ter de se contentar com uma coisinha boa aqui e ali a partir de agora.

3. MONSTA X – SHOOT OUT

You and I até chegou perto, mas este ano eu não tive exatamente o grande hino pop-metaleiro de Dreamcatcher que esperava, mas para a minha surpresa foi Monsta X quem trouxe exatamente isso. Com menos concessões pop do que as músicas de Dreamcatcher e mais elementos de hip-hop, Shoot Out é um som bem mais furioso do que o girl group da HappyFace entregaria, sendo bem mais próximo do que ouviríamos do B.A.P das antigas. O único defeito da música é exatamente o refrão que é muito mansinho para uma faixa que deveria te fazer querer quebrar coisas. O MV ainda tem umas referências a sadomasoquismo que devem agradar às fangirls, mas o que me marcou mesmo foi o integrante loiro que botou tanto preenchimento nos lábios que falta pouco pra ele virar uma Irmã Kardashian.

2. RED VELVET – POWER UP

Uma coisa que não se pode dizer sobre Red Velvet é que ele continuou na mesmice em 2018, porque esse ano o grupo conseguiu ir de um extremo ao outro, lançando tanto a pior música de sua carreira quanto a melhor música de sua carreira! Power Up começa com uma harmonização no estilo doo-wop, coisa que nós já ouvimos no k-pop antes e nos deixa à espera de uma faixa retrô, mas a faixa surpreende e soa bastante moderna com os barulhinhos eletrônicos fofos sem deixar de lado a sonoridade dos anos 50 no refrão e novamente no hook do BANANABABA. O resultado é uma música irresistível que consegue ser nostálgica e moderna ao mesmo tempo, quase como se pertencesse a uma realidade alternativa em que o gênero doo-wop evoluiu com os tempos. São maluquices como essas que me fazer ouvir k-pop!

1. APRIL – OH! MY MISTAKE

Se você me dissesse ano passado que April entregaria a melhor música de 2018 minha resposta provavelmente seria uma gargalhada de escárnio na sua cara, mas cá estamos… Eu não sei o que diabos aconteceu na DSP, talvez o dinheiro de KARD fazendo turnê no Brasil sem parar esteja servindo pra alguma coisa, mas o fato é que após quatro anos de aegyos completamente esquecíveis a ex-agência de KARA finalmente deu ao April músicas que prestam. Se Blue Bird já era ótima, “Oh! my mistake” é simplesmente FANTÁSTICA. Esse tecladinho te prende logo de cara, mas a cada parte temos uma nova surpresa. Em um momento ela é relaxante e em outro ela adiciona uma clima de tensão que contrasta com os vocais fofinhos, a música  muda constantemente sem nunca perder de vista a atmosfera hipnótica e bizarra. Exceto, é claro, no final quando colocam a pirralha para cortar o clima com seus gritos. Nós já sabemos que você sabe cantar, minha filha, agora cala a boca! Mas independente disso, Oh! my mistake fez todo o resto do capope comer poeira e quem dera isso forçasse os outros grupos a melhorarem o seu jogo para não termos outro ano decepcionante como 2018, mas isso é sonhar demais.

0,5. PINK FANTASY – IRIWA

Infelizmente 2018 foi muito fraco até no quesito “canções ruins que são boas”, o que me causou problemas para selecionar a posição 0,5 do ranking. Acabei optando por Pink Fantasy por nenhum outro motivo além de TEM UMA INTEGRANTE QUE USA UMA CABEÇA DE COELHO! Eu  até sinto mal pelas outras meninas, não tem como alguém tem qualquer pessoa como bias que não seja o coelho!

E assim eu termino a minha lista com um top 3 formado por Monsta X, Red Velvet e April… PUTA QUE PARIU, QUE ANO ESTRANHO!

Mas enfim, eu quero agradecer a todos os leitores que continuaram prestigiando os meus posts escassos neste ano difícil. Nem acredito que este blog de nome difícil e logotipo horrível tá completando 2 anos! Isso é mais longe do que eu imaginava. É complicado fazer promessas, mas acho que vou conseguir melhorar a frequência dos posts em 2019.

Agora comecem a fazer sua oração/ave-maria/macumba ou o que for para que algum Girl’s Day, T-ara ou f(x) saia do hiato em 2019. O k-pop está precisando delas! Dizem que se usarmos Papa YG como sacrifício humano num ritual pagão todos esses três grupos e Orange Caramel voltam. Não sei se pode dar certo, mas não vejo desvantagem nenhuma em tentar! Sou a favor de começarmos a bolar um plano para fazer isso imediatamente. FELIZ 2019! ^_^

Anúncios

13 comentários sobre “FAVOURITES OF 2018

  1. Eu discordo sobre 2018 ter sido um ano ruim pro k-pop, teve muuuuuita música podre ? mais é claro que teve, mas também teve muita coisa boa xD. Lugar merecidíssimo de Oh My Mistake aka hino de redenção do April, que música maravilhosa, só senti falta de Lady que na minha opinião é superior a I Love You ( por mais que eu ame ambas ❤ ) e de alguns hininhos que eu estou com preguiça de digitar no momento e-e ( Get It por exemplo </3 ).
    Agora é esperar que 2019 tenha muita coisa boa no cenário da música, não apenas no k-pop mas na música pop em geral, dito isso vou voltar as minhas oraçôes para que ninguém leve um tiro esse ano.
    Um bom dia/tarde/noite para você.

  2. Adorei esse top3 com April, Red Velvet e Perfume (sim, estou ignorando essa música do gogoboys x perdida aí no meio).

    Q 2019 continue o legado de todos os anos ímpares serem melhores pro asian pop q os anos pares. E feliz ano novo meus amigos k7s!

      • To torcendo pra pelo menos dois bops agr em janeiro. Pq os atos q tão pra fazer comeback tem potencial.

        E sinceramente, o tropical house morrendo de vez já será suficiente pra fazer 2019 superior a 2018 :v

  3. Teddy sempre preparou as melhores musicas para o 2ne1 e quando deu disband ele entrou em depressão profunda, o que afeta a criação de novas musicas boas.ddu du ddu du foi feita num momento de alegria extrema ao saber que a Park bom tinha assinado com a d-nation e teria um comebackem pouco tempo se tudo der certo agora em janeiro.se a diva entregar uma you and i 2.0 já é o suficiente pra 2019 pisar em 2018

  4. april ta lançando tanta coisa boa ultimamente que eu to perdida esperava pelo menos uma daydream, like u ou temptation do lovelyz pra encher linguiça ja que as titles foram tenebrosas… se a gente fingir que empathy não existe, o nct ate que foi bem em questão de bsides e we go up. o regular irregular é uma delicia e quando eu tava ainda desacreditada que aquela merda de album de compilação existe, o final no ano pra eles foi bonzinho.

    la vie en rose pra mim foi o melhor debut, porem o fromis é superior. vc ouviu aquela some you’ll be mine do nature? é ótima

    • Tanta gente elogia La Vie En Rose, mas eu simplesmente não vejo a graça naquela música… Mas enfim. Nature lançou umas músicas muito boas, mas pra mim a melhor ainda é Allegro Cantabile.

  5. A moça-coelho do Pink Fantasy realmente é a escolha obrigatória pra bias (aliás, quando será que elas vão ganhar comeback??)… destaque inclusive pra maquiagem linda dela no começo do MV, enquanto coloca a máscara. Coringa e IT aprovaram.

    Em compensação, a mocinha que “canta” em 1:30 é a prioridade de corte; toda vez que ela canta/fala com essa voz, caga a música…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s